Brasil‎ > ‎

Itatiaia - Rio de Janeiro - Brasil

postado em 23 de out de 2013 04:23 por Road Garage   [ 14 de jan de 2014 09:24 atualizado‎(s)‎ ]
Nesse final de semana rolou o terceiro rolé extremo (Veja o primeiro aqui: Petrópolis | Teresópolis - Rio de Janeiro - Brasil e o segundo aqui: Alto Caparaó - Minas Gerais - Brasil) Dessa vez fomos para o Parque Nacional do Itatiaia, entre os estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Muita gente conhece esse parque, porque passa pela Via Dutra, rodovia que liga São Paulo e Rio de Janeiro, e observa ao lado essa cadeia montanhosa chamada de maciço do Itatiaia, que é a parte da Serra da Mantiqueira que fica dentro do parque nacional. Partimos do Rio as 2:30 da matina, em noite de lua cheia:

(BR 116 - Dutra - Rio de Janeiro - Brasil)

O objetivo é subir o Pico das Agulhas Negras, com 2.791,55 metros de altitude, ponto culminante do estado do Rio de Janeiro, e a sexta montanha mais alta do Brasil, servindo como preparação para a viagem ao Altiplano Boliviano que vai ocorrer em breve, acompanhem. Depois de percorrer bons km de madrugada, e perceber que minha luz da lanterna + freio estava queimada (veja foto acima), pegamos a BR-354 com suas curvas de tirar o fôlego e chegamos na Garganta do Registro, que fica a 1.669,28 m de altitude, sendo a estrada federal asfaltada mais alta do Brasil:

(BR 354 - Divisa Rio de Janeiro | Minas Gerais - Brasil)

Essa é a parte mais alta, que fica na entrada do parque nacional e faz divisa entre os estados do Rio de Janeiro e de Minas Gerais. Aqui começa a BR-485, que atravessa o parque, tem o seu ponto culminante a 2.460 m de altitude no seu interior e é assim considerada a estrada mais alta do Brasil (sem asfalto), pena que em alguns trechos pode ser trafegada apenas a pé, e nos outros trechos apenas para os mais corajosos. A estrada é feita para 4x4 e motos de trilha, infelizmente outros veículos sofrem nas pedras e barro, mas nós não desistimos, ver aqui A smooth road never made a skilled rider. Depois de 17km, a entrada do parque:

(Entrada superior do Parque Nacional do Itatiaia - Itatiaia - Rio de Janeiro - Brasil)

A partir daqui, é deixar a moto e seguir a pé pela estrada. Aqui começa a trilha para o Pico das Agulhas Negras:

(BR 485 - Parte superior do Parque Nacional do Itatiaia - Estrada para a trilha do Pico das Agulhas Negras e Prateleiras)

Depois da estrada, começa efetivamente a trilha, que tem 2,4km e parece nos levar rapidamente ao topo:

(Pico das Agulhas Negras - Parque Nacional do Itatiaia - Rio de Janeiro - Brasil)

Entretanto a trilha não é demarcada, pois passa por rios e uma selva de pedras:

(Chegando ao cume - Pico das Agulhas Negras - Parque Nacional do Itatiaia - Rio de Janeiro - Brasil)

Alguns trechos são extremamente técnicos e é necessário equipamento básico de escalada. Um guia também é recomendado:

(Acesso ao cume - Pico das Agulhas Negras - Parque Nacional do Itatiaia - Rio de Janeiro - Brasil)

Depois de algumas horas, estamos a 2.791,55m de altitude, na montanha mais alta do Rio de Janeiro. Daqui vemos Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais:

(Cume - Pico das Agulhas Negras - Parque Nacional do Itatiaia - Rio de Janeiro - Brasil)

Primeira parte da missão cumprida, descemos, fizemos o caminho de volta e pernoitamos na cidade de Itamonte em Minas Gerais, que fica a 20km da Garganta do Registro. Dia seguinte, voltamos ao parque, afim de fazer a trilha para o Pico das Prateleiras, com 2,3km de extensão e 2.540m de altitude e que prometia ser mais fácil.

No caminho, algumas nascentes de rio, o que nos permitiu reabastecer o estoque de água:

(Nascente do Rio Campo Belo - Parque Nacional do Itatiaia - Rio de Janeiro - Brasil)

Estava enchendo a garrafa quando mais atentamente percebo alguns mini-sapos. Mini mesmo, saca só:

(Sapo Flamenguinho - Símbolo do Parque Nacional do Itatiaia - Rio de Janeiro - Brasil)

Além de muito pequeno, era tímido, não quis sair na foto. Essa espécie só existe aqui e na altitude de 2.400m, o que fez com que se tornasse símbolo do parque. Agora minha água tava batizada pelo Flamenguinho, beleza...

Começamos a trilha para o Pico das Prateleiras, que se mostrou mais fácil e rápida, pelo menos até a base:

(Pico das Prateleiras - Parque Nacional do Itatiaia - Itatiaia - Rio de Janeiro - Brasil)

Quando chegamos na base faltava vencer a maior pedra de 110m de altura apenas. Ai começou a saga. Uma "escalada" sem equipamentos, de pedra em pedra, numa subida alucinante por precipícios e fossos sem fundo:

(Subida do Pico das Prateleiras - Parque Nacional do Itatiaia - Itatiaia - Rio de Janeiro - Brasil)

Aqui qualquer desequilíbrio é penalizado com a morte, simples assim. Para quem achou que a pedra era pequena, saca o tamanho da galera lá em cima:

(Pico das Prateleiras - Parque Nacional do Itatiaia - Itatiaia - Rio de Janeiro - Brasil)

Essas trilhas são consideradas level hard, e é recomendando equipamento básico de escalada e guia. Não tentem fazer sozinho pois pode sair bem caro. Mas o visual daqui de cima compensa e muito:

(Pico das Agulhas Negras visto do Pico das Prateleiras - Parque Nacional do Itatiaia - Itatiaia - Rio de Janeiro - Brasil)

De um lado o Pico das Agulhas Negras, e do outro lado vemos a Via Dutra, e todo o vale desde o Rio de Janeiro até São Paulo. Valeu a pena. Cansados, voltamos até o estacionamento e cada um seguiu seu caminho com sentimento de missão cumprida.

Para mim, ainda faltava encarar 17,5 km de estrada de chão e pedras. Liguei a moto e desci me arriscando pela estrada federal mais alta do Brasil, mas devidamente recompensado com um por do sol sensacional:

(BR485 - De moto pela estrada mais alta do Brasil - Entrada superior do Parque Nacional do Itatiaia - Itatiaia - Rio de Janeiro - Brasil)

Cansado, depois de fazer kms de trilha por altitude superior a 2.400m, encarei muitos kms de volta pra casa. Rolé extremo parceiro, mira no horizonte e toca pra frente.

Cheguei vivo.

Comments