Blog‎ > ‎

Morte súbita

postado em 22 de jan de 2014 03:05 por Road Garage
A Dilminha (Cafe Racer XLCR883), a muito esquecida na garagem, me pediu para dar um passeio urbano:

Gira a chave, run, puxa o afogador, start e "Nhéeee....... Pototo, pototo... Pototo, pototo" 

Não gostei do nhéeee. Mas beleza, andando ela vai carregar...  Parei rapidamente, abasteci, religando a moto:

"Nhéee........... Pototo, pototo... Pototo, pototo" 

Pelo visto a bateria não carregou. Por caminhos alternativos, dei uma boa volta, até o meu destino. Resolvi o problema e voltei a ligar a moto:

Gira a chave, run, puxa o afogador, start e "Tec, tec, tec, tec....Não me abandone agora vermelha guerrilheira! Denovo: "Tec, tec, tec, tec...." Essa merda não carregou!?

Mais uma vez: ""Tec... Tec... Tec..." Agora fudeu, "Tecs" espaçados não são um bom sinal.

Um transeunte me ajudou empurrando a moto, pronto, pegou no tranco, agradeci passando a terceira e fui embora. Agora eu vou até a garagem sem desligá-la. Primeiro sinal, a moto apaga.

Agora estou só, e o tranco vai ser por minha conta. Pelo visto seria uma noite longa. Saltei da moto e a empurrei para o meio da pista de 3 faixas. A noite e sem ninguém nas ruas, empurrei em direção ao meio fio, e o pequeno desnível permitiu a moto pegar. Beleza, agora só iria parar em casa, nonstop.

Não foi tão fácil assim, a essa altura meus piscas não estavam mais funcionando, e o farol estava bem fraco. Segurando para a moto não morrer, entrei em um longo túnel. Regra número 1: nunca entre em um túnel quando houver grande chance de ter pane dentro dele. Regra ignorada, no meio do caminho a moto começou a falhar e involuir. O motor já estava fraco, e parecia que apenas um cilindro estava funcionando. Estava sem força para manter a ignição e as bobinas aparentemente falhando. Cheguei a 10km/h na cabine da polícia no final do túnel, onde a moto morreu de vez. Farol fraco, sem lanterna e sem piscas. Morte súbita!

Primeira vez que a Dilminha me deixa na mão. Liguei pro Galo me socorrer, levando um cabo de chupeta. Verificamos os cabos nos bornes e no aterramento, tudo ok. E nada, a bateria não tinha forças. O jeito foi deixar a moto na rua e voltar de garupa pra casa.

Dia seguinte foi feito o resgate. Triste cena:

("Harley que não roda é Harley que dá problema" - Sem bateria)


Cuide bem da sua bateria, faça manutenção da parte elétrica (veja mais aqui: Fuga de corrente

Espero que seja apenas bateria, cena dos próximos capítulos.
Comments