Blog‎ > ‎

Problemas com a lei: Lei seca

postado em 7 de out de 2013 06:10 por Road Garage
A tempos vinha driblando a lei seca. Até na região central da Argentina, em plena estrada no meio do nada, ela estava (se você não viu, veja: 5 Dia - Santa Fé Ar -> Mendoza Ar)

Até então tinha contado com a sorte, ou com meus caminhos alternativos que não teriam blitz. Não tão preocupado, fui a um bar de cervejas variadas, experimenta uma, duas, três... Conversa descontraída, apenas para rever os amigos.

Você pensa: ninguém fica bêbado com três cervejas. Dá para andar de moto tranquilamente. Ai começa a epopéia.

Meu caminho mais rápido era por onde, sabidamente, poderia haver uma blitz da lei seca, despreocupado sentei na moto e fui embora, pelo meu caminho alternativo. Nesse meio tempo a moto entrou na reserva. A regra é clara: carburada na reserva, abasteça imediatamente. Lembrei do posto de gasolina que costumo abastecer, peguei um retorno e fui naquela direção.

Advinha? Blitz da lei seca. Fodeu! 50 metros, 40 metros, 30 metros, 20 metros, 10 metros... REFUGUEI!

Admito, surtei: "dessa vez fodeu, vou ser pego" "vou ficar um ano sem carteira" "vou ficar um ano sem andar de moto" 

Pode parar. Um ano sem andar de moto? Olhei para os lados, procurando uma salvação, e lá estava ela, uma estreita escada de pedestres, que me levaria a calçada da pista contrária. Não pensei duas vezes, a 10 metros da primeira viatura da blitz, subi na calçada, desci as escadas e alcancei a calçada da pista contrária. A Sportster low, coitada, comeu alguns degraus com vontade, mas essa guerreira não desiste não facilmente. 

Na calçada da pista contrária, observo o fluxo intenso de carros, aguardando a oportunidade de entrar na via. Ao mesmo tempo, observo o carro da polícia ligando a sirene e vindo na minha direção. 

A porra ficou séria. A pista era de velocidade, e não teria oportunidade de descer da calçada sem ser acertado por um carro. A viatura estava chegando. O jeito foi acelerar na calçada, pegar velocidade, e assim que passou um carro, joguei para a pista. Eu disse, a Sportster é guerreira e não desiste tão facilmente.

Agora na via, e a polícia atrás de mim, tive que costurar entre os carros. Não adianta, qualquer moto é muito mais veloz que uma viatura da polícia. Peguei uns becos, um viaduto, e pronto, sem polícia no retrovisor. Mas calmai, estou na rua do Batalhão! Policiais na calçada... Cara, o Rio de Janeiro é um ovo.

Passei no totózinho, com a polícia me olhando. Fico na dúvida se eles teriam recebido o rádio, acho difícil. Continuo observando no retrovisor, e nada... Beleza, volto acelerar e a moto trava... Cacete esqueci da gasolina! Pane seca na rua do batalhão não!!

Com a gasolina nas últimas, fui inclinando a moto, tentando aproveitar as últimas gotas dentro do tanque, pois na esquina tinha um posto. Advinha? Pane seca em frente ao posto de gasolina! É o sonho de todos nós... Porque, você sabe, ninguém quer ter pane seca FUGINDO DA POLÍCIA! Que merda!

Meia noite, posto de gasolina vazio, cade o frentista? Não vinha... Puxei o bico, cutuquei a bomba, apertei o gatilho, alguns litros pra dentro e... Tchau. O que os olhos não veem o coração não sente. Desculpa, mas estou com pressa.

Continuei até chegar em casa, me esquivando de viaturas e mais viaturas. Nunca vi tanta polícia na minha vida.

Depois dessa, beber e pilotar será uma combinação bem rara de acontecer. Operação Lei Seca, eu apoio.


Comments