Día 11: El Calafate - Glaciar Perito Moreno - Puerto Natales

postado em 13 de dez de 2014 04:19 por Road Garage   [ 2 de fev de 2015 05:05 atualizado‎(s)‎ ]
Negociamos no hotel de deixar as bagagens e ir ao Parque Nacional Los Glaciares descarregados.

Em menos de uma hora, já estávamos no parque com ingresso comprado e bem perto do glaciar:


Estradinha com curvas divertidas e visual pouco comum. Ruanita pediu pra parar denovo:


Dessa vez não há trilhas, trekking ou hikking, apenas passarelas por onde os turistas alcançam os melhores ângulos e proximidade do gelo. Talvez por isso estava lotado:


Cambada de coxa, porque não sobem o Fitz Roy!? Lá estava vazio... kkk

Tem uma diferença, esse é gigantesco:


Chega-se bem perto do gelo, azulado, e ve-se as grandes placas despencando e caindo na água:



Um grande barulho, ondas e mais uma placa se vai. Ficamos um bom tempo nos mirantes, e desistimos de fazer o passeio em cima do glaciar. Havia uma grande nuvem de chuva posicionada, parece que elas nascem ali mesmo...

Voltamos margeando o lago Argentino, onde cavalos selvagem corriam em disparada:


Depois mais um pouco de Ruta 40, quando alinhamos sentido sul, um vento muito forte soprando da cordilheira para as planícies por diversas vezes quase nos derrubava da moto. Era um vento tão forte que nos obrigava a andar a 90km/h em marcha reduzida, e constantemente nos trocava de pista. Todo cuidado foi pouco e acabei perdendo El Negro de vista. 

Consegui chegar na entrada de Rio Turbio, e aguardei por 1hora. Tinha parado por conta do vento, realmente estava muito forte. Nem ele saia de lá, nem eu saia daqui. rs

Enquanto isso algumas pessoas pararam para conversar, falar da moto. Esse amigo Paraguaio pediu para sentar na moto, quando vejo o seca totalmente para trás, alinhado com a bengala. Simplesmente a força do vento tinha descido o seca:


Foi algo atípico que ainda não tínhamos enfrentado. Além do vento, uma tempestade se aproximava, no momento de nos despedirmos momentaneamente da Argentina:


Fizemos os trâmites da fronteira no Paso Doroteia, colocamos as capas de chuva e entramos no Chile:


Serrinha com chuva e entramos a noite, chegando a Puerto Natales de madrugada. Sem câmbio, molhados, sujos, com frio, fome, sede, sem lugar para dormir sem nem 1 peso Chileno.

A senhorita do Hostel fez o favor de nos abrigar, amanhã iremos resolver os problemas.

Ela nos disse que o vento estava a 110km/h! E que a previsão ainda é de tempestade de vento!

Bem vindo ao Chile!

Comments