Viagem Nordeste‎ > ‎

Dia 09: Canindé de São Francisco - Piranhas

postado em 29 de mai de 2015 13:50 por Road Garage   [ 15 de set de 2015 05:55 atualizado‎(s)‎ ]
As cinco da manhã abri a barraca e mergulhei na água mansa da represa de Xingó. Fiquei aguardando o nascer do sol nesse importante rio do nordeste Brasileiro:


Tomei meu banho, desarmei a barraca e me despedi dos amigos cactos e do nosso segurança noturno:


Percurso de hoje era de apenas 12km, então dispensei a fantasia de motoqueiro. Cruzando a ponte-divisa:


Cidade de Piranhas muito legal, patrimônio histórico nacional:


Também as margens do Rio São Francisco, que já deve ter tido dias melhores. Pouca água:


Falta de chuva e transposição, mostrando as pedras do leito. De qualquer forma, pegamos o barco e navegamos por quase 1 hora para o local de início da trilha do cangaço. Chegando lá, um cabra vestido de cangaceiro nos guiou por onde um dia passou lampião e seu bando, na caatinga:


Várias histórias do cangaço e de seus integrantes foram contadas, em meio aos cactos. Um desses furou o olho de lampião, um dos motivos da sua deficiência visual:


Depois de 40 minutos por entre a vegetação e solo característico, chegamos a gruta do Angico, local onde os cangaceiros sofreram uma emboscada da volante local, e foram mortos a bala de metralhadora:


Ainda há marcas de balas nas pedras, e as cruzes indicando a morte de Lampião e Maria Bonita.

Recomendo o passeio, parece guiado pelo cabra em pessoa:


De volta a cidade, o museu do cangaço confirma as histórias e expõe cartas, objetos e algumas fotos. Virgulino provando que ainda estava vivo, com o jornal do dia:


E a volante provando que tinha passado o cerol no bando de cangaceiros. Cortaram as cabeças e empilharam na escadaria da prefeitura:


O foda é tu bater a foto das cabeças e a câmera acusar "olho fechado detectado" kkk

Bizarro. Segundo o policial da volante que degolou o corpo de Maria Bonita, foi como cortar o pescoço de um bode. Outros tempos...

Muitas histórias e mais um por do sol:


Amanhã tem mais velho Chico.

Comments